Coluna Especial: A RODOVIA É UM MONSTRO?

1
253

Enquanto não assumirmos responsabilidade pelos nossos atos e nos confrontarmos com as consequências que nos esperam, não há solução para o problema dos acidentes de trânsito.

O ano de 2017 está repleto de feriados prolongados e três deles se aproximam: a Sexta-feira da Paixão, no dia 14 de abril, o dia de Tiradentes, também uma sexta-feira, 21 de abril, e o dia do Trabalhador, que será numa segunda-feira, primeiro de maio.

Nós, da Polícia Rodoviária Federal, já nos preparamos para essas datas: feriados prolongados são sinônimo de muito trabalho para os órgãos de trânsito – as pessoas aproveitam para viajar e o Brasil privilegiou a rodovia como meio de transporte.

Acompanham as datas a apreensão da população que pega estrada e mesmo os que estão esperando pelos que viajam – “as estradas são perigosas”. E ainda, “a rodovia mata”. Em alguns casos, essa mística da rodovia assassina é corroborada pelos veículos de comunicação – as manchetes dos jornais giram em torno de “RODOVIA DA MORTE!”

Não achamos que seja intencional a reprodução dessas ideias – ainda que equivocadas. Altos íncides de acidentes, grande números de feridos e mortos.

Mas não estamos tirando o foco do real problema?

Quem mata… é mesmo a rodovia?

Parece que um monstro de asfalto nos espera depois da curva, aguardando para devorar os veículos e palitar os dentes com o semieixo da junta da homocinética.

A verdade é que estamos transferindo a responsabilidade da forma como dirigimos para outros elementos.

Pesquisas recentes afirma que a maioria dos acidente derivam de comportamentos humanos.

Vamos ser sinceros, quem já não fazia ideia que a maioria dos acidentes tem como causa o comportamento do motorista?

Enquanto não assumirmos responsabilidade pelos nossos atos e nos confrontarmos com as consequências que nos esperam, não há solução para o problema dos acidentes de trânsito. A Polícia Rodoviária Federal vem desenvolvendo diversas ações de prevenção e repressão às más condutas… mas o principal responsável pela própria segurança ainda é o motorista.

Autor : Alfredo C. B. Terceiro – Policial Rodoviário Federal

1 Comentario

  1. Realmente nossos motoristas precisão executar a direção preventiva, principalmente em feriados prolongados, lembrar que um familiar o espera, que transporta um filho ou alguém amado e a pressa não funciona nesta hora. Por outro lado nossas rodovias estão excelentes, mas com um adversário, o grande número faixas contínuas e caminhões á 20 km por hora já que não há balança. Resumindo nos que cumprimos a lei estamos correndo mais riscos já que a imprudência dobra, ninguém tolera andar 30 a 40 minutos atrás de um veículo desde, outros ultrapassa e por vida de todos em risco, há inúmeros comboios e os caminhões vão se juntando e nos carros populares levamos desvantagens, já sobe a 20 km e desce 140km, já há dispositivos que subornar o tacógrafos (ele vai marcar 90km) quando está 120, 140…A PRF ou PRÉ não faz mágica em estar em todos lugares ao mesmo tempo, e onde estão o cidadão sempre e avisado pelo aplicativo, rádio ou sinal o qual é sinal não haverá acidentes. Certa vez vi bonecos infláveis dentro viaturas o qual o perímetro de segurança dobrou, pois respeitam as viaturas. Moral da história vamos pensar nas famílias, respeitem vias, viagem tranquilo, faça estatística de acidentes diminuir e sua família feliz….bom feriado a todos.

Deixe uma resposta